domingo, 8 de diciembre de 2019
inicio
 
Março

Portada

La Provincia

|-¿Quiénes somos?

|-¿Dónde estamos?

|   |-En España

|   |-En Brasil

|   |-En MARAJÓ (Brasil)

|   |-En Argentina

|   \-En Venezuela

|-¿Qué hacemos?

|   |-Seminarios

|   |-Misión de Marajó

|   |-Centros educativos

|   |-Parroquias

|   |-Otros ministerios

|   \-Revista Santa Rita y el pueblo cristiano

|-Vicarías

|   |-Vicariato do Brasil

|   |-Vicaría de Argentina

|   \-Vicaría de Venezuela

|-Secretariados

|   |-Espiritualidad

|   |-Formación

|   |-Apost. Ministerial

|   |-Apost. Misional-Social

|   |-Apost. Medios Com. Social

|   |-Past. Juvenil y Vocacional

|   |   |-PJV 2006

|   |   |-PJV 2007

|   |   |-PJV 2008

|   |   |-PJV 2009

|   |   |-PJV 2010

|   |   |-PJV 2011

|   |   |-PJV 2012

|   |   |-PJV 2013

|   |   |-PJV 2014

|   |   \-PJV 2015

|   \-Apost. Educativo

|-Jóvenes Agustino-Recoletos (JAR)

|   |-Itinerario

|   |   |-Horizonte de Aventura

|   |   |-Horizonte de Amistad

|   |   |-Horizonte de Libertad (I-Grupos)

|   |   |-Horizonte de Libertad (II-Precomunidades)

|   |   \-Horizonte de Fraternidad

|   |-Oracional

|   |-Cancionero

|   \-Otros

|-Madres Mónicas

|-Relig. Difuntos ProvST

|-Causas de Canonización

|   |-Venerable Sor Mónica de Jesús (1889-1964)

Noticias

|-de la Iglesia

|-de la Orden

|   |-Cursos de Renovación

|   |-Capitulos Generales

|   |-Capitulos otras Prov.

|   |-Reuniones OAR

|   |-de la Curia General

|   \-Celebraciones y Jubileos

|-de la red ARCORES

|-de los Obispos OAR

|   |-Diócesis de Cametá (PA, Bra)

|   \-Prelatura do Marajó (PA, Bra)

|-de los Capítulos Provinciales

|   |-35º Cap. Provincial (2015)

|-desde España

|-desde Brasil

|-desde Argentina

|-desde Venezuela

|-Rev. Antena Informativa

Servicios

|-Santoral OAR

|   |-Enero/Janeiro

|   |-Febrero/Fevereiro

|   |-Marzo/Março

|   |-Abril

|   |-Mayo/Maio

|   |-Junio/Junho

|   |-Julio/Julho

|   |-Agosto

|   |-Sepbre./Setembro

|   |-Octubre/Outubro

|   |-Novbre./Novembro

|   \-Dicbre/Dezembro

|-Lectio Divina

|   |-LD Vocacional

|   |-LD Textos bíblicos

|   |-LD p Ciclo A

|   |   |-LD Adviento (A)

|   |   |-LD Nav-Epifanía (A)

|   |   |-LD Cuaresma-SS (A)

|   |   |-LD Pascua (A)

|   |   \-LD T. Ordinario (A)

|   |-LD p Ciclo B

|   |   |-LD Adviento (B)

|   |   |-LD Nav-Epifanía (B)

|   |   |-LD Cuaresma-SS (B)

|   |   |-LD Pascua (B)

|   |   \-LD T. Ordinario (B)

|   |-LD p Ciclo C

|   |   |-LD Adviento (C)

|   |   |-LD Nav-Epifanía (C)

|   |   |-LD Cuaresma-SS (C)

|   |   |-LD Pascua (C)

|   |   \-LD T. Ordinario (C)

|   |-LD Fiestas del Señor

|   \-LD Virgen Maria y los Santos

|-Año Litúrgico

|   |-Adviento

|   |   |-Ciclo A (Adv)

|   |   |-Ciclo B (Adv)

|   |   \-Ciclo C (Adv)

|   |-Navidad-Epifania

|   |   |-Ciclo A (Nav)

|   |   |-Ciclo B (Nav)

|   |   \-Ciclo C (Nav)

|   |-Cuaresma-Triduo Pascual

|   |   |-Ciclo A (Cua)

|   |   |-Ciclo B (Cua)

|   |   \-Ciclo C (Cua)

|   |-Pascua-Pentecostés

|   |   |-Ciclo A (Pas)

|   |   |-Ciclo B (Pas)

|   |   \-Ciclo C (Pas)

|   |-Tiempo Ordinario

|   |   |-Ciclo A (TO)

|   |   |-Ciclo B (TO)

|   |   \-Ciclo C (TO)

|   |-Fiestas del Señor

|   \-La Virgen María y los santos

|-Form. permanente

|   |-Proyecto trienal

|   |-Revitalización OAR

|   |-Agustinología

|   \-Espiritualidad

|-Materiales

|   |-Fraternidad Seglar

|   |-Past. Juvenil

|   |-Past. Vocacional

|   |-Catequesis

|   |-Past. Educativa

|   \-Año de la Vida Consagrada

|-La WEB (o SITE)

\-Webmail

Audiovisuales

Enlaces

|-Iglesia Católica (Santa Sede)

|-Conf. Episcopales y diócesis

|-Conf. Religiosos

|-Familia Agustino-Recoleta

\-Provincia Sto. Tomás de Villanueva

Contacta 
Bookmark and Share
São José no plano divino…
Administrador - 17/03/2014
Noticias relacionadas

Este foi o título que Frei Eugenio Cantera, religioso de nossa Província, apresentou no ano 1917 (Imprensa Santa Rita) toda uma síntese teológica sobre o “Patriarca bendito”. E o fato de recordar esta publicação –desgraçadamente desconhecida na maioria dos religiosos- faz pensar no eterno esquecimento ou na falta de apreciação não só da publicação em si, se não mais bem do fundo do livro. De fato, a obra de Frei Cantera, conceituado então como um dos “joséfilos” mais preclaros, não é só um material de leitura ocasional; responde a uma inquietude até valente de pôr em claro o mistério de São José fazendo frente aos erros que iam surgindo sobre o tema.

Isto como introdução e, depois, como aviso. O livro desconhece-se até o ponto que em muitas bibliotecas nem sequer existe ¿Por que esse esquecimento? Quero pensar com toda certeza que São José nunca quer atrapalhar, sempre está à sombra, não quer protagonismo e até permite que sua lembrança, sua festa não tenha quase barulho e fique só em pouca coisa ao igual que para aqueles que da mesma idade fosse. E isto é injusto por parte nossa, me referindo muito em concreto aos agostinianos recoletos.

Trato de lembrar algumas referências: «a devoção e o culto a São José, especial protetor da Ordem, constitui também parte da espiritualidade agostiniana-recoleta» (Const. 80). E «nos sábados e celebrações litúrgicas da santíssima Virgem e na solenidade de São José cante-se em comum a “Salve Regina” e a antífona “Ioseph”» (CA 79). «Os irmãos tenham grande aprecio e cultivem as tradições da Ordem; realizem os exercícios de piedade próprios conforme a nosso Ritual e outros conforme às normas e tradição da Igreja. Tentem que os fiéis participem também neles» (Const. 81).

No calendário da Ordem, no dia 19 de março tem esta apresentação: «São José, Esposo da Virgem Maria, Padroeiro da Ordem. Solenidade». É um mistério, uma figura extraordinária e encantadora, ainda que muito humilde, até o ponto que sua presença passa inadvertida até em nós. Eu penso, mais neste momento do processo da revitalização da Ordem que a figura de José é um chamado necessário para a vivência do mistério de Cristo junto a Maria na contemplação, que sua presença em Nazaré nos situa no âmbito propício para viver e gozar o “sentido desta família religiosa”, que seu silêncio mas com o olhar em Jesus e Maria, é uma oração constante como uma aceitação da vontade de Deus e cooperação ao anúncio do Reino.

Para nós José não é um enigma, é luz e ainda que ele é o primeiro em expressar desde sua pessoa que só Deus é o protagonista. Sua atitude ante o mistério estará sempre secundada pela certeza de um “Deus que começa a obra boa e a leva até o final”. A identidade de José é inseparável de Deus, inclusive nos momentos nos que lhe exige uma resposta total e sem condições; não se pode obstaculizar o plano de Deus e optar por um caminho diferente.

À luz de “São José no plano divino” nós estamos em grau de ser chamados a “deixar-nos crescer” e ser fiéis à vontade de Deus.

  Votar:  
Resultado: 0 puntos0 puntos0 puntos0 puntos0 puntos   0 votos

© Gestor de contenidos HagaClic